segunda-feira, 19 de setembro de 2011

A arte rupestre- Educação Infantil

O projeto “A arte e escrita  rupestre” nasceu a partir de uma conversa entre os professores da pré escola municipal Abelhinha Feliz localizada no município de São Bento do Sul. Constatou-se que várias crianças chegam aos anos iniciais sem o conhecimento do nascimento da arte e escrita.

O projeto teve como finalidade o desenvolvimento de trabalhos práticos que envolvessem a escrita e trabalhos plásticos voltados para as linguagens do desenho e pintura além de contar com atividades lúdicas, contextualizas com a arte e escrita do nosso cotidiano.

O aprendizado na infância pode ser concebido através do ato de brincar, portanto é extremamente importante, para o corpo docente da escola, a apropriação da ludicidade em relação à construção de conteúdos e atividades que visam a aprendizagem na educação.

As práticas artísticas situadas no projeto contemplam a ludicidade, onde as crianças participantes experimentam o fazer artístico nas linguagens do desenho, pintura e modelagem, dentro da temática arte rupestre partindo do bidimensional ao tridimensional além de contar com atividades de escrita onde cada criança tem a oportunidade de conhecer os primeiros alfabetos utilizados pelo homem.


Objetivos gerais



-Possibilitar a compreensão da arte rupestre como motivadora de experimentações estético-artísticas, estimulando a criatividade e a coordenação motora do aluno, através das atividades práticas nas linguagens de desenho, modelagem e pintura, além de estudar o surgimento da escrita.



Objetivo específicos



-Introduzir a arte Pré-histórica de forma lúdica

- Valorizar a história por meio de rodas de conversas.

- Promover a oficina de forma democrática, possibilitando ao aluno expressar suas opiniões em momentos próprios.

- Conhecer a pintura rupestre e curiosidades sobre as mesmas.

-Vivenciar um momento de faz de conta, onde os crianças imaginarão que são homens das cavernas, utilizando a caverna produzida pelos professores para brincar.

-Ampliar a sensibilidade, percepção e imaginação dos alunos, na realização de trabalhos artísticos

- Brincar, expressando emoções, sentimentos e pensamentos.

-Propiciar o desenvolvimento do pensamento artístico dos alunos e da percepção estética, que caracterizam um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana.

.


Fundamentação Teórica



A arte auxilia o homem a desenvolver habilidades voltadas à percepção estética e ao pensamento artístico.

Os objetivos do ensino de arte visam contemplar habilidades focadas nas diferentes linguagens artísticas, unindo o teórico ao prático. Os conteúdos e atividades práticas devem fazer parte do universo da criança, contemplando brincadeiras, atividades práticas diferenciadas e de formas lúdicas.

Segundo as diretrizes curriculares da educação infantil do município de São Bento do Sul, Vygotsky (1989) afirma que a brincadeira é a atividade predominante da infância e através dela, a criança interage com o real, descobre o mundo, se organiza, se socializa, a criança antecipa seu desenvolvimento. Vygotsky fundamentou seus estudos na ideia de que o indivíduo constitui-se como tal devido a sua relação com o outro e reforça que, ao brincar, a criança revive suas experiências, relembrando e construindo conhecimentos acerca do mundo e dos outros com quem se relaciona.”(DIRETRIZES, SÃO BENTO DO SUL, p.26-27)

Para as crianças brincarem é fundamental que elas não sejam impedidas de exercitarem sua imaginação. Assim, as brincadeiras fazem parte do cotidiano da criança e traduzem valores, costumes, formas de pensamento e ensinamentos.

O projeto “A arte e escrita rupestre”, tem como objetivo valorizar a arte através da história, contextualizando as atividades práticas.Apresentando aos alunos, informações sobre o nascimento da arte e escrita, por meio de conversas, apresentações de imagens, atividades práticas e brincadeiras.

A arte rupestre foi uma das primeiras formas de comunicação que o ser humano encontrou, servia para deixar vestígios através da pintura, ilustrando sonhos, cenas do cotidiano, símbolos da vida, da morte, céu, terra, animais e pessoas.

Tudo o que sabemos a respeito dos homens que viveram nesse período é o resultado de pesquisas de antropólogos, historiadores e arqueólogos, que buscaram reconstruir a cultura do homem dessa época.

Por muito tempo a pintura foi produzida com os dedos, utilizando poucas variedades e tons de cores, as quais eram obtidas com elementos da natureza.

No Brasil, são encontrados diversas regiões onde existem manifestações de arte rupestre.

Segundo informações da “FUMDHAM”, Fundação Museu do Homem Americano, de São Raimundo Nonato, há duzentos e sessenta sítios arqueológicos com pinturas rupestres na área do Parque Nacional da Serra da Capivara- Piauí, o qual foi criado em 1979. Como afirma na revista Professor Sassá (2011) alguns animais foram esculpidos da mesma forma em diferentes partes do mundo, podemos destacar a girafa rupestre, que foi produzida na Argélia, Chade, Egito, Líbia, Mali,e Marrocos. Embora não se saiba quem esculpiu as girafas, elas também são encontradas em diversas outras partes do continente africano, o que sugere que esse animal teria sido importante em antigas culturas. Em 1997, foram encontradas duas girafas gigantes entalhadas na pedra, uma delas medindo 5,4metros.

Segundo Tapia e Fita (1999, p. 8), a motivação está “ligada à interação dinâmica entre as características pessoais e os contextos em que as tarefas escolares se desenvolvem”, destacando-se as metas que devem ser atingidas pelo professor. A partir dessa lógica, “é evidente que o interesse dos alunos em aprender depende em grande medida das decisões que o professor toma com respeito à organização do ensino” (TAPIA e FITA, 1999, p. 9)

Partindo desse pensamento, conclui-se que embora a ludicidade é uma ferramenta poderosa para ser utilizada como método de ensino aprendizagem, a mesma deve estar ligada à motivação do professor e o aluno. O interesse do aluno só pode ser alcançado se o professor utilizar estratégias didáticas que possibilitem o pleno envolvimento dos seus alunos, portanto, é necessário conhecer e aplicar diferentes métodos para incentivar os alunos a ter um pensamento crítico em relação ao mundo em que vivem, independente de qualquer disciplina. Nota-se que, práticas didáticas e curiosidades são mais relevantes e interessantes aos alunos do que os velhos métodos de leitura de livros e aulas expositivas repetitivas que não estimulam o aluno a buscar o conhecimento. É extremamente importante que o professor busque a formação continuada como forma de se atualizar às novas gerações.




Metodologia-

Desenvolvimento do projeto- Educação Infantil

- Local: PEM Abelhinha Feliz- São Bento do Sul.

- Público Alvo: Turmas dos Prés parciais e integrais ( 8turmas)

-Data: Maio e Junho de 2011

Etapa 1

Contação da história sobre o cotidiano do homem das cavernas, elaborada pelos professores.

Conversa com os alunos sobre a história

Atividade prática de pintura com pigmentos naturais produzidos pelos professores, com desenho de um molde de bizonte,  instigando os alunos a produzirem um trabalho artístico dentro da temática arte rupestre.












Etapa 2

- Roda de conversa sobre as diferenças do cotidiano do homem do presente tendo o homem das cavernas como referência.

- Produção de um painel, utilizando raízes para a confecção do mesmo, com a temática dia-a-dia do homem das cavernas.

0bs: Houve uma seleção de trabalhos para a composição do painel, pois o projeto atendeu cerca de 180 crianças.














Etapa 3

- Atividade prática- desenho onde as crianças deverão encontrar o caminho verdadeiro do homem pré-histórico até a caverna e posteriormente pintar o desenho

Etapa 4

-Conversa com os alunos sobre os primeiros alfabetos utilizados pelo homem e posteriormente as crianças pintarão com raízes os desenhos ampliados pelos professores sobre os primeiros alfabetos e seus nomes.










Etapa 5- Finalização do projeto

- Vivência da brincadeira, onde os alunos fizeram de conta que eram homens das cavernas e brincaram na caverna produzida pelos professores.






Acima podemos ver a professora Lúcia e sua turma.

Turma da profª Sil- Integral

Turma da prof. Cíntia- matutino


Turma da Prof. Cínta- matutino

Turma da Profª Rosilene- Integral


Turma da proª Orovilda- Integral




video
                                 



Agradecimentos em epescial para a professora Lúcia que me auxiliou muito e propôs fazermos um projeto interdisciplinar.



Referências Bibliográficas



Diretrizes Curriculares na Educação Infantil de São Bento do Sul- 2011, p.26-27)

Revista Professor Sassá ano I nº 10, p.49

TAPIA, Jesus Afonso; FITA, Henrique C. Motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 6ª edição. São Paulo: Loyola, 1999.



Leitura de Textos e utilizados como base da construção do projeto:

“Por que atividades tridimensionais na pré-escola”- Autora: Eliana Zimath

Parâmetros Curriculares Nacionais, 20011

Manual artístico para educadores volume 2 Acrilex, p.20 -23

Um comentário:

  1. Adorei seu post e as atividades realizadas...
    Com certeza professores como você, fazem toda diferença!!!
    Pela alegria das crianças nas fotos, elas também adoraram.Parabéns!!!
    Bjos e até mais...

    ResponderExcluir